MAX HEINDEL REDIVIVO

 

 

Capítulo VII

 

A Primeira Reunião dos Estudantes Esotéricos e o Mistério da Rosa Branca

 

 

Em Junho de 1913, as 8 horas da noite ocorreu a primeira reunião de Probacionistas em Mt. Ecclesia, que demonstrou maravilhosamente a força da atividade espiritual da Fraternidade Rosacruz.

Nesta sublime  reunião houve à exemplo da memorável reunião da Pedra Fundamental, o inesperado número de nove pessoas presentes, ao se congregar todos os Probacionistas, inclusive os residentes em Oceanside. Três dos Irmãos Maiores estiveram presentes e também o Augusto Décimo-Terceiro, conhecido e reverenciado com o Simbólico nome de Christian Rosenkreutz, que no passado apareceu como Hiran Abiff, Lázaro e mais recentemente como o Conde de St. Germain. Não queremos dizer que os Irmãos Maiores se materializassem, pois não é esse o método usado pelos Hierofantes da Sabedoria Ocidental. Suas presenças foram sentidas e identificadas.

Na manhã de 3 de Junho de 1913, Max Heindel pediu a sua esposa para preparar um novo Emblema para a primeira Reunião de Probacionistas que aconteceria pela noite. Sob a direção de Max Heindel o Emblema foi desenhado e pintado pela Sra. Heindel, para esta célebre reunião esotérica.

A Sra. Heindel havia plantado e cultivado um grande roseiral de rosas brancas, que estava então repleto de rosas. Ela cortou três rosas brancas, as quais colocou ternamente ao centro das sete rosas sobre a Cruz Branca que compõe o Emblema Rosacruz.

A primeira reunião esotérica dos Probacionistas, em Mt. Ecclesia, foi realizada no escritório particular da Sra. Heindel. As vibrações foram tão poderosas naquela noite que resultaram quase insuportáveis para os presentes, sendo quase impossível para Max Heindel falar, sendo obrigado a sentar-se temporariamente.

Certo número dos que estavam presentes surpreendeu-se com as coisas insólitas que estavam sucedendo ante eles, estando todos maravilhados.

As três rosas brancas que estavam ao centro das sete rosas vermelhas , ( agrupadas em semi-circulo sobre a cruz branca), começaram a estremecer-se, como se alguém estivesse movendo-as. Primeiro, uma das rosas brancas começou a cair lentamente, porém ficou apenas um pouco afastada da segunda rosa branca, que também estava se movendo conduzidas por uma mãos invisíveis, sacando-as do centro das sete rosas vermelhas.

Todos os presentes ficaram sentados maravilhados, contemplando tal episódio imprevisível e estranho. Então a segunda rosa branca deslocou-se suficientemente abaixo, ficando afastada da última rosa que permanecia no centro do emblema.

Isto deixou a mais bela das três rosas brancas no centro das sete rosas vermelhas, sobre a cruz branca. As duas rosas que foram retiradas, não caíram sobre a mesa, mas ficaram situadas algumas polegadas abaixo do madeiro inferior da Cruz.  Max Heindel precisou de algum tempo para dominar e sintonizar-se com as poderosas vibrações que permeavam o recinto e iniciar a sessão. Tal foi a origem do costume rosacruciano de colocar-se apenas uma rosa branca no Centro do Emblema Rosacruz nas reuniões esotéricas.

Os Probacionistas que tiveram o privilégio de estarem presentes a esta primeira reunião, jamais a esqueceriam. Se tivesse havido alguma dúvida na mente de qualquer um deles em relação à realidade da existência dos Irmãos Maiores, tal experiência seguramente haveria dissipado definitivamente tal dúvida.